Noticias

08-07-2020


Feira do Mel de Santa Catarina é aberta em ambiente virtual

Cristina Gallo


Em tempos de pandemia nada mais natural que migrar os negócios para o ambiente virtual. Assim a tradicional Feira do Mel de Florianópolis, que acontecia durante cinco dias nas ruas da capital catarinense foi para a web pelo endereço www.faasc.com.br/feiradomel. Ela ampliou para todo o Brasil e agora tem duração de um mês. Na segunda, 06/07, aconteceu a abertura oficial da Feira Virtual do Mel de Santa Catarina, por webconferência, com a participação do governador Carlos Moisés e da primeira-dama do Estado, Késia Martins da Silva.


O governador parabenizou os produtores e disse reconhecer as dificuldades do setor, como os defensivos de outras culturas que atacam as abelhas. “Toda cadeia precisa estar em sinergia. A do mel é muito importante para toda sociedade, pois gera saúde e vida”, disse. Ele ressaltou ainda a importância do manejo adequado para preservação da espécie.


O presidente da FAASC, Ivanir Cella ressaltou que a Feira é um desafio no sentido de levar o melhor mel das 31 regiões de Santa Catarina até a mesa do consumidor a preços acessíveis. “A feira virtual é uma forma de aproximar o consumidor do produtor, ampliar a comercialização e inserir pequenos produtores no mercado, além de oferecer ao consumidor produtos com procedência conhecida e garantida”, disse. A Feira teve início dia 01/07 e de acordo com Cella já possibilitou novos negócios. Ele anunciou que a Ambev está propondo uma fábrica de cerveja de marca catarinense, com o mel produzido em Santa Catarina, adquirido somente de pequenos produtores. Falou ainda da urgência de se criar mecanismos para desobstruir o caminho entre produtor e consumidor. “Não é justo que o produtor receba apenas entre seis e oito reais o quilo e o consumidor adquira o produto a R$ 60, R$ 80”, alertou Cella. Ele falou ainda da importância da rastreabilidade e da inspeção sanitária.


A presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, falou que a feira coroa o trabalho de base ao aproximar o consumidor do produtor. Ela afirmou que a alta produtividade e qualidade é fruto do esforço dos produtores e da orientação técnica de boas práticas de produção, legalização e mercado. “Se temos a melhor produtividade, temos então os melhores apicultores”, ressaltou, chamando a atenção também para a diversidade. O estado produz mais de 100 variedades, de acordo com a Epagri.


Segundo o diretor do Sebrae/SC, Anacleto Ortigara a Feira ser virtual é usar a inteligência para superar as dificuldades. O secretário de Estado de Agricultura e Pesca, Ricardo de Gouvêa, falou que a vão trabalhar para diminuir a diferença entre o alto preço do mel na ponta e valores tão baixos para o produtor. “Temos mecanismos para isso, vamos trazer o Ceasa para a discussão”, disse. O chefe do setor de Apicultura da Epagri, Rodrigo Durieux Cunha ressaltou a importância da feira em formato virtual mostrar o produto não só para o estado, mas agora para todo Brasil.


O produtor de São Joaquim, Joel de Souza Rosa, relatou que a feira não é mais só estadual, mas realmente nacional. “Estamos recebendo pedidos de todo Brasil”, disse. Para ele a feira é a oportunidade de mostrar os méis premiados produzidos em Santa Catarina.


Participaram ainda da webconferência os deputados, Altair Silva, Darci de Matos e Pe. Pedro Baldissera e a presidente da Cidasc, Luciane Surdi.


A Feira é organizada pela Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (FAASC), Epagri e Sebrae/SC. Teve início dia 1º de julho vai até o 31 de julho. Além dos produtos há cursos on-line e livro com receitas com mel.